Afiliação: 5 Conselhos Para Ganhar Com o Pay-Per-Action

As sugestões de um especialista direcionadas aos publishers que preferem o pay-per-performance

Os programas de afiliação presentes no mercado se diferenciam em duas grandes categorias: pay-per-click (pagam por clique) e pay-per-action (pagam se o clique se transforma em uma venda ou determinada ação).

Os publishers que se afiliam a programas pay-per-click têm à disposição uma quantidade impressionante de informações, manuais e fóruns. Encontrar conselhos e sugestões para as afiliações que pagam as conversões dos cliques (pay-per-performance) é um pouco mais difícil. Um dos fóruns mais famosos e confiáveis na Itália se chama alverde.net, um fórum ativo e muito conhecido que agora tem também um blog.

O autor do site, Paolo Moro, conseguiu criar um ponto de referência para os publishers que utilizam afiliação baseada na performance, ou seja, na conversão dos cliques.

Paolo escreveu um pequeno guia para os amigos do Ikaro com 5 conselhos para otimizar as entradas dos sites que utilizam programas pay-per-action. Eis o artigo.

afiliacao.jpg

Photo Credit: Jay Lopez

Você já levou em consideração a hipótese de não confiar somente no Google Adsense para ganhar com o seu site? Eis como diversificar as fontes de renda.

O Adsense tornou tudo fácil: você insere um código javascript nas suas páginas web, “ele” escolhe os anúncios que serão exibidos no seu site e decide quanto lhe pagar. Tudo perfeito, pena que os publishers estão ganhando sempre menos. Como se pode remediar? Eu proponho um retorno ao passado: promova produtos vendidos em outros sites em troca de uma percentual sobre o valor das vendas. Em outras palavras, use os programas de afiliação.

O problema principal das afiliações é que, geralmente, a relação entre o número de cliques (não pagos) e o número de vendas (pagos) é muito baixo. Consequentemente, o afiliado (publisher) ganha pouco ou nada.

De quem é a culpa? Na minha opinião, pode-se dividi-la igualmente entre afiliados e anunciantes. Você (afiliado) pode fazer alguma coisa para melhorar a situação? Com certeza. Eis alguns conselhos para usar de modo alternativo os programas de afiliação:

  1. Não use os banners. Eles são muito bons para fazer propaganda da marca do anunciante, mas não são tão bons para gerar vendas.
  2. Aproveite de sua competência e credibilidade. O seu blog fala de aquários e peixes tropicais? Não coloque o banner de uma loja de produtos para animais, mas faça reviews de produtos únicos evidenciando tanto os aspectos positivos quanto os negativos. Os usuários procuram informações antes de comprar: o anunciante pode dizer o quanto é grande e quanto custa cada aquário, e você, com certeza, sabe explicar alguma coisa a mais. Para os usuários, o seu parecer imparcial vale muito mais do que o slogan publicitário “gritado” através do banner.
  3. Não promova produtos e sites medíocres. Os visitantes confiam nos seus conselhos, não indique nunca alguma coisa que, na sua opinião, não deveria ser comprada por ninguém. É melhor deixar de ganhar alguns reais do que perder sua credibilidade. Além disso, mesmo se um produto é muito bom, mas o site que o comercializa é péssimo (pouco profissional, aparência pouco confiável, etc.), evite de indicá-lo aos seus usuários.
  4. Promova produtos específicos possivelmente em oferta, não mande seus usuários para a home page do anunciante. O objetivo é vender, não presentear cliques. Os usuários devem chegar a uma landing page feita propositadamente para favorecer uma venda (um cadastro, etc.) ou mesmo diretamente a página que vende o produto que você indicou, se depois o encontrarem também em oferta (com desconto, expedição gratuita, etc.) o sucesso é garantido. 🙂
  5. Ajude seus usuários a encontrarem o melhor negócio. Você fez o review de um livro? Provavelmente ele é vendido em, pelo menos, 4 livrarias online que têm um programa de afiliação. Complete o seu review indicando: o custo do livro, as eventuais ofertas, as despesas de expedição, o prazo de entrega e as modalidades de pagamento nos 4 sites que o vendem. Podendo avaliar as várias alternativas, todos os usuários ficarão mais motivados a comprá-lo logo no site que melhor satisfaça às suas exigências do momento.

Para concluir, não digo para renunciar ao Google Adsense a favor dos programas de afiliação. Os dois podem conviver: as afiliações, usadas no modo que descrevi, não tiram o espaço do Adsense. Considere o link com o seu código afiliado como uma conexão para as fontes úteis para seus usuários e não como publicidade.

PS: O último serviço que promovi respeitando as primeiras 4 recomendações me rendeu até agora o equivalente a €0,78 por clique (US$1,23 por clique). Para ser mais preciso, 215 cliques (não pagos) e 28 cadastros (pagos 6 euros cada um). Os dados ainda são poucos para fazer uma estatística significativa, só por isso não ironizo com o smart pricing. 🙂

Comments

comments