As StartUps 2.0 Na Itália: Entrevista Video Com Luca Conti

Um rápido bate-papo durante um coffe break na final de StartUps 2.0 em Barcelona

Luca Conti foi o jurado italiano na edição 2008 de StartUp 2.0 em Barcelona. Para quem ainda não o conhece Luca leciona na Universidade de Urbino (Umbria) e no Link Campus University of Malta em Roma, colabora com o Sole 24 Ore, é o blogger que gere Pandemia e muito mais.

Durante um coffe break trocamos algumas idéias sobre a situação das startups italianas.

Eis o vídeo (o texto da conversa está transcrito abaixo).

Daniele Di Gregorio: Não se fala italiano aqui, mas havia algum projeto no concurso…

Luca Conti: Veja… existem italianos que estão no exterior: um está em Londres e um aqui em Barcelona. Talvez sejam mais ativos no exterior porque o ambiente italiano não favorece muito esse tipo de trabalho, mas aqueles que têm idéias talvez as desenvolvam no exterior mesmo.

DDG: Creio que a dificuldade, talvez, consista em conseguir financiamentos… “filantrópicos” mais do que qualquer coisa, pois existe um pouco a tendência de se tomar o controle de projetos que poderiam funcionar ao invés de dar-lhes condições de progredir. O que você acha?

Luca Conti: Sim, o ambiente das StartUps é muito competitivo. Depois, nesse momento os fundos estão se restringindo um pouco, mesmo no ambiente anglo-saxão, por causa da recessão e existe ainda mais competição para se tomar o controle delas, e quem gasta com elas quer ter um retorno econômico.

DDG: Vimos 4 projetos até agora: um que chamou particularmente a sua atenção entre os 10 finalistas?

Luca Conti: Uma coisa que percebi é que até agora eles apostam em publicidade e nas Redes Sociais, portanto, dizem Ok, já existe quem o faça, porém eu adicionei a rede social, ou Eu sou mobile e outras tendências que se diz sempre que vão explodir. Porém, sinceramente, não vi nenhuma idéia nova. Eu gostei da web tv de culinária (iFoods.tv) porque se desenvolveu de modo correto, creio que possa ter conteúdos muito válidos.

DDG: Uma curiosidade: os mashups que usam os mapas do Google poderiam inflacionar-se brevemente, pois vejo que muitos desses projetos não são nada mais que mashups com GMap: será que não cansarão?

Luca Conti: Veja, vi alguns dados do Nielsen na Itália de (creio) março/abril. Os mapas têm na Itália hoje 11 milhões de usuários, portanto, um percentual muito grande. O que eu temo por quem propõe idéias e startups nesse setor é que cedo se verá o Google como competidor direto. Mesmo a startup húngara (Geospace.hu, uma das finalistas) que tem um serviço baseado nos mapas insistia no fato de que tem a rede social a mais, mas o Google já está preparando a sua rede social e quando a ligar aos seus produtos penso que todas essas startups fecharão de um dia para o outro.

DDG: Grazie, Luca e a presto!

Luca Conti: Grazie a te.

Comments

comments